Sign up with your email address to be the first to know about new products, VIP offers, blog features & more.

Caetano e Roberto

Caetano e Roberto, os vi ontem no Fantástico, por breves minutos; não os verei hoje quando aportam em Sampa para o show/homenagem aos 50 anos da bossa nova. Vão interpretar canções de Tom Jobim. Um encontro raro de dois nomes vitais para a MPB, remanescentes do turbilhão dos anos 60; desconfio que ainda seja este o momento mais promissor de nossa música popular. Houve de tudo ali. Um restinho de bossa nova, a música de protesto, os festivais, a Jovem Guarda, o Tropicalismo, a cumplicidade da TV; a geração de ouro da MPB.

Houve época em que não perdoaria por tamanha falta. Cobri shows e espetáculos por quase 20 anos – e era sinal de prestígio fazer parte da lista de convidados.

Hoje, os tempos são outros. Como dizem meus alunos, ando sussa. Prefiro esperar o DVD e sem grandes expectativas.

II.

Entrevistados pela apresentadora Patrícia Poeta, não foram além dos elogios mútuos e cantaram, no encerramento, as músicas que fizeram para reverenciar o outro. Roberto fez “Debaixo dos Caracóis do Seu Cabelo” quando Caetano estava no exílio em Londres por força dos militares de plantão. E Caetano, por sua vez, fez “Força Estranha” que Roberto gravou e até deu uma ajudinha na letra.

Mínima, mas ao melhor estilo RC.

A letra original de Caetano era:

“Por isso uma força
Me leva a cantar.
Por isso essa força
Estranha….

(E Roberto acrescentou:)

… no ar”

III.

Os dois contaram o episódio e riram. Caetano, disse Roberto, hesitou alguns instantes até aceitar tão transcendente colaboração. Mas, aceitou.

Palavra de Rei, convenhamos, tem lá um tom majestático – e imperativo.

Como contrariar Roberto?

E por aí a entrevista se encerrou…

E eu, me perdoe Patrícia, senti uma baita saudades da Glória Maria.

Que, volto a citar meus alunos, também deve andar “sussa” pela aí.

Enfim…

Vida que segue…

signature