Sign up with your email address to be the first to know about new products, VIP offers, blog features & more.

Desacorçoado

Acho que já lhes contei essa historinha por aqui.

Ouso repeti-la.

Motivo?

Simples. Parece-me oportuna relembrá-la diante do sentimento que ora me invade, como diria a letra daquele bolero.

Aconteceu naquela manhã dos idos de 70 e desde então passei a entender mais amplamente o teor da palavra “desacorçoado”.

Antes que meus quatro ou cinco fiéis leitores me chamem de tererê, e não juntar lé com cré, narro os fatos.

Éramos trinta ou quarenta estudantes da ECA/USP a ouvir a professora Cremilda divagar sobre os rumos do jornalismo e a importância da profissão para a construção de uma sociedade mais justa e cousa e lousa e maripo(u)a,

Estávamos no sexto ou sétimo semestre, se bem me lembro.

Muitos já trabalhavam na área. Quase todos ainda viviam a incerteza de terem ou não escolhido a carreira certa. Angústias naturais a quem tem vinte e poucos anos.

Para dar uma complexidade à nossa sina, vivíamos os tais anos de chumbo – a censura, os rigores da crise econômica e social, as dificuldades naturais do mercado de trabalho; enfim, não estava fácil pra ninguém. Imaginem pra nós!

Não lembro o motivo exato, mas em meio à fala da professora eis que o amigo Maciel fez jus às origens interioranas – ele era de Palmital –, carregou no sotaque para interromper o discurso oficial e sair-se com essa:

– Professora, vou ser sincero, ando desacorçoado com a profissão.

A classe foi pega de surpresa. Primeiro, rimos da sinceridade do amigo. Depois, creio eu, caiu a ficha e, de alguma forma, entendemos que o Maciça falava por todos nós – empacados com os rumos do jornalismo, do País e, de uma forma mais ampla, das nossas próprias vidas.

Revivo a memória daquela cena após a leitura do noticiário dos últimos dias. Tenho a sensação de que está tudo errado – e que não tem conserto: a intolerância, o ódio generalizado, a dificuldade de entender que nosso interlocutor não precisa pensar exatamente como nós, os descalabros de escândalos, a violência exacerbada em neuras que se acumulam aqui e fora daqui. Não tenho sequer coragem de nominar os fatos…

Tudo isso me faz lembrar aquela manhã que seu perdeu no mais antigo dos anos e do desabafo do Maciça e, cá estou eu a batucar essas mal traçadas, sem esperança que algo mude pra melhor. E tal e qual o amigo tudo o que quero lhes dizer, caríssimos leitores, é que também este modesto escriba anda desacorçoado que nem sabe lhes explicar o quanto.

Quem sabe amanhã eu tenha palavras mais alentadoras…

Tomara!

signature