Sign up with your email address to be the first to know about new products, VIP offers, blog features & more.

Lembranças e canções

Posted on

Foto: Arquivo Pessoal

Diria que me sinto assim um… um… um…

… Francisco Petrônio.

Sem o charme, a elegância, o talento e o êxito do original, óbvio.

Mas algo próximo a ele nesse pandêmico ano de 2020.

Francisco Petrônio, quem se lembra?

Era um cantante de voz forte, repertório romântico (próximo à seresta) e farta cabeleira grisalha.

Fez um enorme sucesso ali, entre o fim dos anos 60 e os 70, ao comandar o programa Festa Baile na TV Cultura ao lado da diva Branca Ribeiro.

E aqui cabe, creio, um ‘Quem se lembra 2?’

Éramos, então, eu e os meus, jovens e inconsequentes.

Mas, entendo, foi a primeira vez que nos demos conta de que não havia só nós, os roqueiros e cabeludos, nesse mundo de Meu Deus.

Que a sociedade se dividia – harmoniosamente ou não – em faixas etárias distintas com gostos, valores e cultura próprios.

Nem melhor, nem pior. Apenas diferente.

Confesso tínhamos uma leve noção do que era. Mas, ainda assim nos espantamos ao ver aquele povo – senhores e senhoras – sobriamente vestidos num glamouroso rodopiar infindo pelo salão.

– Então, assim que é assim? Puxa!

Valho-me dessas recordações (que prescindem de qualquer estudo sociológico) para agradecer e responder (ou não?) às tantas e tamanhas mensagens que ontem recebi a partir do post que aqui publiquei.

Johnny Rivers e a imprensa

Não, amáveis cinco ou seis leitores. Não foram os alinhavos que fiz sobre o jornalismo o motivo de celebração, comentários – e outros tantos suspiros nostálgicos, diga-se.

Já desconfiam o que foi, né?

Exatamente: a escolha da música que fiz para ilustrar a crônica.

Fazer o quê?

Mirei no que vi, acertei no que não vi.

Agora pedem-me para bancar o saudoso Petrônio e escrever mais e mais sobre o significado das canções de Johnny Rivers, Donovan, Classics Four, Peter Frampton, Cat Stevens, Credence Clearwater Revival e outros tantos que marcaram nosso tempo e, nostalgicamente, nossos corações e mentes.

Ai, ai, ai…

Reminiscências de juventude…

Alô, pessoal! Não sei se dou conta da tarefa.

O que posso dizer?

Que havia uma magia, um enlevo, um encantamento naqueles dias/noites, apesar das incertezas e dos pesares daquela época.

Que vivíamos de amores e com certa leveza.

Que havia uma ingenuidade também.

Só quem viveu pode entender: os bailinhos de garagem, a penumbra cúmplice, a luz negra, o globo prateado a girar e refletir fragmentos de luz, os namoricos, a cuba-libre da coragem e as canções… Inesquecíveis canções a emoldurar sonhos e contidos desejos.

(Algumas desilusões também. Inevitáveis.)

Assim é que era para nós…

Não temos o quê reclamar. Temos?

Sei que me entendem…

Sei também que o que mais querem é ouvir outra canção daqueles idos tempos.

Então, lá vai…

 

 

 

 

 

signature

Ainda nenhum comentário.

O que você acha?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *