Sign up with your email address to be the first to know about new products, VIP offers, blog features & more.

No caminho do Brasil, a Bélgica

Posted on

Escrevo enquanto assisto ao jogo entre Inglaterra e Bélgica que encerra a primeira fase do Mundial da Rússia.

Primeiro tempo. Um zero a zero chocho, sem maior entrega de dois times que já pensam nos adversários a partir das oitavas de final.

Já ouvi comentários de que essas duas equipes são as que melhor futebol apresentaram na fase de grupos da Copa. Que podem surpreender e chegar ao título.

Será?

Tenho lá minhas dúvidas. Até porque Panamá e Tunísia, os adversários que enfrentaram nas partidas iniciais, não são parâmetros para qualquer análise e parecer.

O locutor da Globo, o esforçado Luiz Roberto, parece ler o que escrevo e diz que os times estão invictos há muito tempo. Dois anos, a Bélgica.  Um ano, a Inglaterra.

“Timaços!”

Gol da Bélgica, aos 5 do segundo tempo. Jogada individual de Janusaj que penteia a bola na lateral direita, bico da área, e bate de pé esquerdo. O goleirão inglês foi nela, mas não achou nada.

A Bélgica agora no caminho do Brasil.

Por enquanto…

(…)

Pela manhã assisti ao confronto da Colômbia e Senegal. Um futebol mais raiz, como se diz hoje em dia.

Ao contrário do jogo de compadres que agora assisto, aquele valia a classificação. Era disputado palmo a palmo do campo, e havia um eletricidade das torcidas rivais. A bem da verdade, nas arquibancadas a supremacia era toda das camisas amarelas dos 30 mil colombianos. Um povo mais festeiro e que, por motivos familiares, me é bem mais simpático.

Comemorei o gol do ex-palmeirense Mina (sem dancinha, óbvio) e, nos minutos finais, fiquei feliz em ver Borja, do meu Verdão, em campo.

Mesmo assim – e paradoxal que sou – lamentei a desclassificação do Senegal. Assim não teremos um representante da África nas próximas etapas do Mundial.

Lamento.

(…)

Vinte e cinco minutos de jogo. A Inglaterra faz uma pressãozinha. Chega mais ao ataque, mas nada que incomode os belgas.

Reparo que os boleiros contentam-se em trocar passes curtos, pros lados. Deixam o tempo passar.

Vou lhes dizer que o Luiz Roberto é o mais entusiasmado…

(…)

Fim de jogo.

O ‘belgicanos’ comemoram.

E o Luiz Roberto dá uma força:

“Fim de uma escrita de 82 anos… Durante todo esse período a Bélgica não venceu a Inglaterra!”

Os ingleses também comemoram.

Com o segundo lugar da chave, o emparelhamento dos próximos cotejos lhes será bem mais tranquilo.

Se lá chegar, só na final medirão forças com uma dessas potências: Uruguai, Portugal, França, Argentina e Brasil.

Esses ingleses… Frios e calculistas!

*(foto: lucas figueiredo/cbf)

signature

Ainda nenhum comentário.

O que você acha?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *