Sign up with your email address to be the first to know about new products, VIP offers, blog features & more.

O tempo

Como medir o tempo, o ilimitado, o imensurável?

Como ajustar o nosso comportamento e mesmo o reger do curso de nossas almas de acordo com as horas e as estações?

Gostaríamos, sim, de fazer do tempo um rio, na margem do qual sentaríamos para observar placidamente o correr das águas.

Contudo, é importante que fiquemos atentos, pois quando o tempo nos escapa a vida também nos escapa.

Ontem é apenas a recordação de hoje.

Hoje é o sonho de amanhã.

Aquilo que canta e medita em nós ainda faz morada naquele primeiro momento em que as estrelas foram semeadas no espaço.

(…)

Quem, entre todos, não sente o amor, embora ilimitado, circunscrito dentro do próprio ser?

Quem, entre todos, não sente esse amor a se mover de um pensamento amoroso, de uma ação amorosa a outra?

Quem não entende que é o tempo exatamente como o amor, indivisível e insondável?

Se todavia alguém dividir o tempo em estações…

Que cada estação envolva todas as outras estações.

Que o presente abrace o passado com nostalgia e o futuro com ânsia e carinho.

* A propósito dos posts desses dois últimos dias, o amigo Poeta deixou, na portaria do prédio onde moro, uma encomenda: uma pequena caixa de papelão e, dentro dela, uma mini ampulheta “para decorar a mesa de trabalho” e o texto acima, de autoria do escritor Gibran Khalil Gibran, o autor de O Profeta.

“Mandei outra encomenda igual para o Escova”, diz o amigo em mensagem no celular. “Acho que vocês estão precisando”.

signature