Sign up with your email address to be the first to know about new products, VIP offers, blog features & more.

Seronato e nós

Foto: Arquivo Pessoal

Não são só ladrões os que cortam bolsas ou espreitam os que se vão banhar, para lhes colher a roupa; os ladrões, que mais própria e dignamente merecem este título, são aqueles a quem os reis encomendam os exércitos e legiões, ou o governo das províncias, ou a administração das cidades, os quais já com manha, já com  força, roubam e despojam os povos. Os outros ladrões roubam um homem, estes roubam cidades e reinos: os outros furtam debaixo do seu risco, estes sem temor, nem perigo: os outros, se furtam, são enforcados, estes furtam e enforcam.

Diógenes, que tudo via com mais aguda vista que os outros homens, viu uma grande tropa de varas e ministros de justiça levavam a enforcar uns ladrões, e começou a bradar:

“LÁ VÃO OS LADRÕES GRANDES ENFORCAR OS PEQUENOS.”

Ditosa a Grécia, que tinha tal pregador!

E mais ditosas as outras nações, se nelas não padecera a justiça as mesmas afrontas.

Quantas vezes se viu em Roma ir a enforcar um ladrão por ter furtado um carneiro, e no mesmo dia ser levado em triunfo um consul, um ditador por ter roubado uma provincia!

E quantos ladrões teriam enforcado estes mesmos ladrões triunfantes?

De um chamado Seronato disse com discreta contraposição Sidônio Apolinar:

Non cessat simul furta, vel punire, vel facere.

Seronato está sempre ocupado em duas coisas: em castigar os furtos, e em os fazer. Isto não era zelo de justiça, senão inveja.

Queria tirar os ladrões do mundo, para roubar ele só!

 

PADRE VIEIRA,  em Sermões.

 

signature

Ainda nenhum comentário.

O que você acha?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *