Sign up with your email address to be the first to know about new products, VIP offers, blog features & more.

Escova e Alicinha (II)

A moça relutou na primeira investida.

Vacilou na segunda.

— Adoro conversar com você, mas não sei se seria de bom tom.

E se entregou na terceira.

— Está bem. Dia desses a gente se encontra…

— Amanhã, a gente almoça juntos, ok? Sei onde você trabalha.

Uma das características do predador Escova era exatamente essa: armar-se de todas as informações possíveis e imagináveis sobre a caça. Para não ter erro na hora do bote.

De posse da ficha de Alicinha, Escova sabia exatamente como era a rotina da moça. Esposa fiel, mãe dedicada e executiva de algum sucesso na área dos cosméticos. Tinha hábitos rotineiros. Marcava todas as reuniões para a parte da manhã, almoçava por volta do meio-dia em um restaurante ali pertinho, corria para casa, olhava a criança por volta das 16 horas estava de novo na empresa de onde saía impreterivelmente às 19 horas. Chegava às 19h30 em casa em tempo de preparar o jantar, receber o marido e curtir o resto da noite em família.

Escova juntou o lé com o cré – e apostou no horário do almoço e pós almoço. Experiente no assunto, fez os cálculos.

Qualquer desculpa, por mais esfarrapada que fosse, convenceria a empregada que não poderia voltar para casa naquele horário – e assim, um pelo outro, ambos teriam em torno de quatro horas para serem felizes.

Alicinha riu da investida do gabiru.

Já havia intuído que estava sendo cantada – e descaradamente. Mas, topou o jogo jogado. Até porque faz bem para o ego de qualquer mulher.

Nunca imaginou que as coisas passariam desses limites.

Mas, agora estava diante de um impasse.

Lembrou os tempos idos, de solteira, quando arrebentava os corações masculinos com essas brincadeiras de quero-não-quero.

— O quanto me diverti com aqueles panacas?

Um a mais, um a menos, não vai mudar nada.

Escova era um cara mais vivido.

Fazia o estilo do romântico à moda antiga.

Um tanto cafa, outro tanto safo.

Seria divertido dar um vaivém nele também…

Nem percebeu.

Fez carinha da santinha do pau oco e, entre tímida e sedutora, disse:

— Eu topo!

** Amanhã continua…

signature