Sign up with your email address to be the first to know about new products, VIP offers, blog features & more.

Clóvis Rossi

Posted on

Aprendi com Clóvis Rossi que o jornalista não deve perder a capacidade de indignar-se.

Que o país é pródigo em matéria-prima para fomentar nossa indignação, seja como jornalista, seja como cidadão.

Em parte, provocada pelas condições sociais da maioria, que tanto nos fustiga como repórteres e profissionais de Imprensa.

Em alta dose, pelas maracutaias da elite dirigente, seja de que instância for, a quem nós, jornalistas, não podemos deixar de fiscalizar.

Que essa história de a Imprensa como o “Quarto Poder”, ao menos por aqui, de há muito deixou de existir. Infelizmente.

Que ser repórter, compromissado com a verdade factual e o bem comum, é a essência do jornalismo que ainda teima em resistir e se faz necessário.

Não, amigos leitores, nunca estive pessoalmente com o notável jornalista que faleceu ontem aos 76 anos.

Se bem me lembro, eu o vi apenas uma única vez numa noite de autógrafo.

Fiquei à distância a observar como as pessoas o reverenciavam ao vê-lo ali, como se fosse um de nós, na fila do autógrafo.

Depurei essas lições das colunas e reportagens de Rossi que acompanhei ao longo desses meus quase 50 anos de jornada.

Era uma das minhas referências.

Sinto que o Jornalismo, como expressão do pensamento social, perde um grande combatente.

Temo que seja o fim de um nobre estilo de escrever e ser repórter.

Temo que a indignação, em cada um de nós, acabe se transformando num fim em si mesmo. E, sem os textos de Rossi, aos poucos, desapareça.

Foto: Divulgação/Ag.Brasil
signature

Ainda nenhum comentário.

O que você acha?

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *